Slide19.JPG
Think Global Link.jpg

Nossa vida é cheia de altos e baixos e frequentemente nos deparamos com crises que nos abalam. Existem, porém, alguns passos simples que podem nos ajudar a manter o controle.

 

​​Rodrigo Solano

rsolano@thinkglobal.com.br  

 

Ser feliz e sentir-se bem, talvez estejam entre as grandes questões da filosofia, da religião e da psicologia. Cada uma destas grandes áreas trata do assunto de maneira diferente, mas independente dessas abordagens, é possível lidar bem com a realidade indesejada e manter-se mais forte e motivado. Eis 3 passos:

 

  • Identificar o que pode ser feito Quando uma crise se apresenta, o mais importante é saber o que se pode e o que não se pode fazer para enfrentar a situação. Por exemplo: O país está passando por uma crise econômica e você está com medo do desemprego. O que você pode fazer agora para ter maior controle da situação? Faça uma lista de possíveis respostas - a mais ampla possível. Procure pensar longe! Libere seu pensamento, não evite nem mesmo as alternativas que possam parecer absurdas à primeira vista e busque respostas ainda inéditas na sua mente. Converse sobre o assunto com outras pessoas. Anote a lista de ideias  e depois eleja quais são as mais factíveis.  

 

  • Identificar o que não pode ser feito Diversas crises possuem fatores externos ou naturais da vida. Exemplos: envelhecimento, doenças, términos de relações, crises econômicas e etc. Como diz Sigmund Freud no livro “O Mal Estar na Civilização”, buscamos ser felizes tentando evitar o inevitável e acabamos nos tornando infelizes. É importante aceitar serenamente os eventos naturais da vida e não focar naquilo que não pode ser mudado. Uma vez que você se livra da carga de se preocupar com aquilo que você não pode mudar, ganha energia extra para executar aquilo que você pode mudar.

 

  • Foco naquilo que você pode mudar Uma vez que você liberta sua mente para agir, é importante desenvolver um plano de ação. Comece pela lista do que pode ser feito (item 1), e estabeleça como, quando, onde e com que recursos (materiais ou pessoas) você irá realizar o plano. O principal écolocar o plano em ação! Tenha também sempre mecanismos de controle, para avaliar se o que você está colocando em prática está saindo dentro do esperado e se está surtindo algum efeito positivo. Caso não esteja, faça uma revisão no plano.

 

Com um plano de ação em prática e você no controle, seu foco passa a ser as soluções e não mais os problemas que você não pode controlar.  Automaticamente você terá mais tranquilidade. Como disse Albert Einstein “Entre as dificuldades se esconde a oportunidade.” Não restam dúvidas!